Está faltando orgulho e patriotismo aos jogadores de basquete

Sabe de uma coisa? Eu acho que o esporte profissional deveria ser um pouco mais amador!

 

É isso mesmo que você leu. Enquanto muitos profissionais recebem bons salários para jogar de forma burocrática, amadores pagam para jogar com garra e orgulho!

 

A situação ainda é mais grave quanto aos atletas de seleção, que deveriam estar imbuídos de patriotismo.

 

O que está acontecendo nas seleções brasileiras de basquete é inadmissível.  Uma atleta recusar-se a jogar porque discutiu com o técnico é vergonhoso. Meu ídolo Oscar, que recusou convite para ir para a NBA, só para jogar na seleção, tem toda razão: “Atitude de Iziane é deplorável”. Isto sem falar nos brasileiros da NBA que não jogarão por problemas de saúde não tão graves.

 

Esporte é paixão. Jogador de seleção tem que fazer de tudo pra jogar. Isto que está acontecendo no basquete brasileiro é inadmissível!

Conto dos dois pesadelos
conto dos dois pesadelos
por Thiago de Góes

Amor, esta noite, eu tive dois sonhos terríveis com você.
E como foram?
No primeiro, nós éramos os personagens de um filme de terror.
Nossa!
E assistíamos a tudo no cinema.
Quanta metalinguagem!
Mas era horrível. Eu era a mocinha e você o monstro!
A bela e a fera?
Não brinca. Você se transformava num lobisomem horrível!
E você teve muito medo?
Demais. Tanto que saímos do cinema no meio do filme.
Ah...
Mas foi pior.
Por quê?
A rua também estava cheia de monstros, mortos-vivos, zumbis asquerosos!
Nossa!
Mas o pior não foi isso.
O que foi então?
O pior é que, ao invés de me defender, você juntou-se a eles e
começaram a dançar um dança esquisita...
Eu não acredito. Eu nunca faria isso.
Mas fez. Você me decepcionou muito. E ainda terminou dando uma
gargalhada diabólica que até agora não consigo esquecer...
Perdão, amor. Foi só um sonho. E como foi o segundo?
Foi no futuro.
No futuro?
Sim, acho que era na primeira década do novo milênio.
E o que aconteceu?
Sabe quando você sonha com alguém que é outra pessoa?
Como assim?
No sonho, você não era você.
Explique melhor.
Era você no corpo de outra pessoa. Mas eu sabia que era você.
Como você podia saber que era eu?
Não sei como, mas era você.
E como eu era?
Você mudou de cor. Estava branco. O rosto todo esticado. Irreconhecível.
Eu branco?
Sim, branco! E você estava num tribunal. Era o réu. O ambiente estava
lotado. A imprensa também estava presente.
A imprensa? O que será que eu fiz de tão errado?
Eu não vou dizer. Não gosto nem de pensar. Só de lembrar eu já sinto
uma coisa ruim.
Calma, querida. Não fique assim. Foi só um sonho. Isto nunca vai acontecer.
Eu sei...
Mas me diga uma coisa. De qual dos dois sonhos você teve mais medo?
Do segundo.
Do segundo? Por quê?
Não sei porque, mas, por algum motivo, o segundo sonho me pareceu tão real...
Desculpe, eu não estou me controlando.
Pare de rir, amor. O que deu em você?
Eu não sei... hahaha...
Pare. Esta é a mesma gargalhada do meu sonho. Pare já com isso! Estou
ficando com medo...
Hahahahahaha...
Sobre palavras que eu não tenho medo de pronunciar

Sabe aquelas palavras que muita gente têm medo de pronunciar? Aquelas mesmas que, vez por outra, são trocadas por metáforas oportunistas ou por insanos eufemismos?

 

Sinto muito, mas eu não tenho este mesmo respeito por elas. Sinto, porque pode parecer ingratidão de minha parte duvidar assim do poder mágico de quem já me deu tantas alegrias: as palavras.

 

Lembro-me, ainda menino, quando ouvi pela primeira vez uma notícia destas. Que mal teria aquele senhor? A velha disse, quase sussurrando, como se fosse um crime, um pecado ou coisa parecida: C-A...

 

C-A? Depois que me interei do que se tratava fiquei realmente na dúvida do que seria mais ridículo. Se o simples medo de pronunciar o nome de uma doença ou se o estratagema inócuo de substituí-lo por uma sigla.

 

Talvez, na condição de escritor, eu devesse ser menos cético quanto a isto. Sei não...

 

Ei, você aí, bata três vezes na madeira. Você sabia que o DIABO vai MORRER de CÂNCER?

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


QUEM SOU EU

Jornalista,escritor, bancário, potiguar, 29 anos

Meus Livros


    Visitante número: